BUSCAPE

UOL

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Neste dia 29/04/2011, tem alguém a tua espera....




Você está aniquilado? Sente-se sozinho e abandonado? Está convencido de que ninguém se interessa por você?

Acredita que ninguém está dando a mínima para o fim do seu casamento e pouco se importa pelo seu divórcio?

Você pensa que ninguém repara nos seu sucessos ou nos seus fracassos, ou que sua vida e/ou sua morte nada significam para os outros?

Você está errado! Existe alguém que se interessa MUITO por você, e acompanha todos os seus passos.

E sabe quem é?

Hein, não imagina quem seja???

A gente revela...

.

.

.

.


Mesmo que todos lhe tenham abandonado, a RECEITA FEDERAL continuará pensando em você!!!


 

Agora não dá mais pra adiar... hoje é o último dia para você enviar sua declaração do Imposto de Renda, hein??? Bobeou... dançou!

shusashuashua...





Booooom diaaaa!!!
Boa tarde!!!
Boooooa noite!!!!    


Um dia passa por fases  e mudanças  assim  sou eu; estou mudando sempre.
No dia de hoje, necessito de mudanças e transformações na minha vida pessoal e profissional, por isso  pedi para sair da Gerência onde trabalho.
Quero mudanças, assim como o dia  se transforma e se renova constantemente.
                                                    

                             Abstraia-se

Desligue-se dos problemas. Pense em você; dê um tempo a você. Brinque, ria, tome um banho sem pressa, feche os olhos e deixe o pensamento voar longe; ouça uma boa música, olhe para o céu e divirta-se com os desenhos das nuvens, solte a imaginação. Abstração é importante para abrir as portas da sensibilidade e da criatividade.
                                                          

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Em 1945 soldados americanos libertaram os 70.000 prisioneiros que restavam no campo de concentração de Dachau.
No total, foram internadas aí 200.000 pessoas. Pelo menos 35.000 morreram ou foram executadas no próprio campo de concentração. "Eu tinha a sensação de ter que pedir desculpas ao nosso cachorro, pelo fato de pertencermos à raça humana. Quanto mais adentrávamos o campo de concentração e víamos os esqueletos revestidos de pele e as instalações características do campo de extermínio, tanto mais eu me sentia inferior ao cachorro, porque, como pessoa, eu pertencia à raça responsável por Dachau".
Desta maneira, o rabino militar norte-americano Eli Bohnen descreveu, em suas memórias, a libertação do campo de concentração de Dachau, no dia 29 de abril de 1945. Dachau foi o primeiro campo de concentração construído logo após a tomada do poder por Adolf Hitler, em 1933.
Inicialmente, serviu de prisão para os adversários políticos do novo regime. Em Dachau, foi testado e desenvolvido o sistema de terror nazista. Foi o laboratório de experiências da SS, a tropa de elite nazista, chefiada por Heinrich Himmler.
Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-45), existiram 22 campos de concentração, fora os outros 165 "campos de trabalho". Em todos eles, os prisioneiros eram submetidos à brutalidade. Devido às torturas, jornadas de trabalhos forçados de onze horas diárias, alimentação insuficiente e doenças, a taxa de mortalidade entre os prisioneiros era altíssima. Calcula-se 7,2 milhões de pessoas foram confinadas nos campos de concentração, das quais 500 mil sobreviveram.
Com o início da Segunda Guerra Mundial, os campos de concentração foram ampliados para os territórios conquistados, principalmente na Polônia. Por ordem de Himmler, Auschwitz transformou-se no maior campo de concentração do regime da SS. Na esperança de obter mão-de-obra barata, o grupo industrial I.G. Farben construiu uma fábrica de borracha sintética próxima a Auschwitz.
Paralelamente, a mesma empresa desenvolveu o gás venenoso Zyklon B, testado pela primeira vez em setembro de 1941 no extermínio de cerca de 900 prisioneiros de guerra da União Soviética. Em seguida, a SS passou a usar esse gás no extermínio em massa dos judeus de 23 países europeus, transportados para Auschwitz. No dia 29 de abril de 1945, soldados norte-americanos libertaram os últimos prisioneiros do "laboratório" em que foi desenvolvida essa máquina do terror nazista: o campo de concentração de Dachau. (Otto Busch, calendário Deustche Welle)
Em 1980 morria Alfred Hitchcock, o pai do suspense
Cineasta inglês nascido nos EUA, famoso diretor de cinema, gordo, simpático e careca, ele marcou tanto a história do cinema, que mesmo tantos anos depois de seu falecimento seus filmes fazem sucesso.
Filho de um vendedor de verduras, Alfred Hitchcock (1899-1980) começou a se interessar pelo então novo meio de comunicação: cinema, em 1915, quando trabalhava na Henley Telegraph and Cable Company. Conseguiu emprego num estúdio de Londres, depois de concluir o filme "Allways tell your Wife", cujo diretor adoecera durante as filmagens. Seu segundo filme - "Os jardins dos prazeres" - marcou o início de sua carreira como cineasta, aos 26 anos de idade.
Desde "The Lodger" (1926), seu terceiro filme, começou a praticar o gênero que o tornaria mundialmente conhecido, o suspense. O cinema sonorizado abriu-lhe novas possibilidades de magnetizar o público. "O homem que sabia demais" (1934), "Os 39 degraus" (1935) e "Sabotagem" (1936) são clássicos até hoje.
Hitchcock transformou os espectadores em cúmplices: eles sabem de onde parte a ameaça ao protagonista principal, mas não podem impedir que este caia ingenuamente na armadilha das telas. Já famoso pelos trabalhos de juventude, o cineasta recebeu um contrato em 1939 do produtor de "E o vento levou...", David Selznick, para trabalhar em Hollywood, onde estreou, em 1940, com "Rebecca". Três anos depois, realizou "A sombra de uma dúvida". No maquinário hollywoodiano, Hitchcock viu a possibilidade de pôr em imagens todas as suas fantasias. Os atores e atrizes de Hollywood também o fascinaram: eram capazes de interpretar personagens de carne e osso, sem afetação.
Num tempo em que os diretores de cinema eram apenas empregados de estúdio, Alfred Hitchcock conseguiu a proeza de ser a principal estrela de seus próprios filmes e de trabalhar com ampla autonomia. Isso se deveu tanto ao sentido publicitário aguçado, quanto à sua identificação com um gênero - o suspense. Comercialmente, suas obras eram um sucesso, mas ninguém ousaria chamá-lo de artista do século. Considerado nos EUA apenas um cineasta técnico, por muitos anos, teve sua importância reconhecida pela crítica francesa, nos anos 50. Em 1954, a revista "Cahiers du Cinema" (Cadernos do Cinema) dedicou-lhe toda a edição de número 39, considerando-o, pela primeira vez, um artista.
O período mais frutífero de Hitchcock foram os anos de 1954 a 1963. É dessa época uma série de obras-primas que o fixaram como um dos principais cineastas de todos os tempos: "Janela Indiscreta" (1954), "Um corpo que cai" (1956), "Psicose" (1960), "Os Pássaros" (1963), entre outros. Vinte e um anos após sua morte, a 29 de abril de 1980, essas obras continuam recebendo remakes e influenciando gerações de roteiristas e diretores.
De formação católica jesuítica, levou para o cinema preocupações trazidas da infância: culpa, pecado, medo e atração pela sexualidade. Dizia que a técnica nunca deveria se impor ao enredo, mas, sim, colocá-lo em evidência. Ao falar sobre o colega, François Truffaut disse que "o cineasta mais acessível a todos os públicos pela simplicidade e clareza é também o que se supera ao filmar as relações mais íntimas entre os seres". Em termos de suspense, os filmes de Hitchcock ainda hoje são imbatíveis.
Quase quarenta anos depois de ser rodado, "Um corpo que cai" (uma trama de obsessão, paixão e espiritismo que se desenrola em San Francisco) foi restaurado em 1996. O negativo original em Vistavision estava tão deteriorado que a Universal Studios resolveu investir US$ 1 milhão para recuperá-lo.
A trajetória do cineasta e a filosofia de seus filmes foi documentada na coletânea de artigos e entrevistas "Hitchcock por Hitchcock", de Sidney Gottlieb, lançada em 1998.
Memória:

Em 1991 morria Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior, o Gonzaguinha.
Nascido no dia 22 de setembro de 1945, no Rio de Janeiro, é filho adotivo do Rei do Baião Luiz Gonzaga e de Odiléia. Sua mãe, cantora e dançarina, morreu de tuberculose ainda muito moça, com apenas 22 anos, deixando Gonzaguinha órfão aos dois anos.
Em função da dificuldade de seu pai para criá-lo, foi entregue a seus padrinhos, Seu Xavier e Dona Dina, que o iniciaram na música. Sua infância foi passada no morro de São Carlos, no bairro do Estácio onde Gonzaguinha conviveu com a miséria, a falta de infra-estrutura e todas as dificuldades que existem em uma favela. Freqüentou desde cedo os blocos e rodas de samba do Estácio, principalmente a Unidos de São Carlos.
Aos 16 anos foi morar com o pai para poder dar continuidade aos seus estudos, já que seus padrinhos não tinham condições financeiras para isso. Mas não foi fácil. Teve desavenças com a mulher de seu pai e, por causa disso, foi para um colégio interno. Mais tarde entrou na faculdade de economia, durante seu período universitário entrou em contato com outros músicos novos como ele. Fez parte do grupo MAU ( Movimento Artístico Revolucionário ) junto com Ivan Lins, Dominguinhos, Aldir Blanc e César Costa Filho.
Participava de festivais e já começava a despontar pelas suas letras sempre com forte teor social. Suas letras eram provocativas e, em virtude do regime militar, estava sempre tendo que driblar a censura. Em 73 se apresentou no programa de Flávio Cavalcante e causou grande espanto pelo teor de suas música. Gonzaguinha era agressivo e irônico. Recebeu uma advertência da censura e muitas críticas, mas teve um lado positivo. Seu compacto que estava encalhado nas prateleiras foi rapidamente vendido. Começou aí a carreira de Gonzaguinha. Era um sucesso na Rádio Tamoio e logo veio a gravar seu primeiro long-play.
Com o passar do tempo percebeu que suas letras não alcançavam o público que ele queria tocar. Assim deu uma guinada na carreira e começou a ser mais leve.
Suas composições foram gravadas com êxito por diversos intérpretes, como Maria Bethânia, Fagner, Elis Regina, Simone, Joanna, As Frenéticas e outros. Entre elas, "A Felicidade Bate à Sua Porta", "Explode Coração", "Grito de Alerta", "Espere por Mim, Morena", "É", "Sangrando", "O Que É o Que É", "Um Homem Também Chora (Guerreiro Menino)".
No dia 29 de abril de 1991 Gonzaguinha morreu em um acidente de carro em uma estrada do sul do Paraná. E o Brasil perdia mais um grande compositor...
Em 1937 a Legião Condor, alemã, destruiu Guernica, na Espanha. Motivo que levou Picasso a pintar a tela-tema, que ficou mundialmente famosa.

No dia 26 de abril de 1937 os bombardeiros da "Legião Condor" reduzem a cinzas a cidade basca de Guernica. O ataque aéreo, que durou apenas três horas, custa a vida de 1.645 pessoas. A Guerra Civil Espanhola ainda se arrastará por mais dois anos, porém a destruição de Guernica pelos alemães tem um papel decisivo para a vitória do general Franco. 26 de abril de 1937 era uma segunda-feira.
A cidade  de  Guernica,   no   norte   da   Espanha, estava cheia de vida: até então ela permanecera praticamente intocada pela Guerra Civil Espanhola, que
grassava desde o ano anterior.Entretidos em seus afazeres, os cinco mil habitantes entravam e saíam das pitorescas moradias, com estruturas e galerias em madeira e cobertas de telhas.
No fim da tarde, começaram os bombardeios aéreos isolados. Por volta das seis e meia, veio o ataque principal dos aviões alemães, em ondas sucessivas. Segundo um diário de guerra da época, a esta altura a fumaça já era tanta, que não se distinguiam mais os alvos - casas, pontes ou arrabaldes - e os pilotos dos 50 bombardeiros da "Legião Condor" atiravam sua carga mortal indistintamente.
Calcula-se que, ao todo, 22 toneladas de explosivos foram lançados sobre aquela cidade do País Basco, entre pequenas bombas incendiárias e bombas de 250 kg. A rede de canalização d”água foi rapidamente destruída, e assim o fogo teve todo o tempo para alastrar-se e consumir Guernica. O diário de guerra conclui: "O tipo de construção das casas fez com que a destruição fosse total.Ainda se vêem os buracos das bombas na rua.
Simplesmente fantástico." 300 pessoas morreram imediatamente, milhares ficaram feridas, até porque os aviões deram caça aos fugitivos. Três quartos dos prédios foram arrasados em menos de três horas. Com o fracasso da tomada da capital Madri, a cidadezinha entrara na mira dos fascistas liderados por Francisco Franco. O futuro ditador contava com o apoio da Alemanha e da Itália. A política do general nazista Goering era utilizar a Guerra Civil Espanhola como campo de testes para os pilotos e as máquinas de sua nova Lutwaffe.
Logo, os agressores divulgam as mais estapafúrdias versões do bombardeio infernal em Guernica. Entre outras, que só pretendiam explodir uma ponte, para cortar o caminho das tropas inimigas. Mais tarde, Franco faz até mesmo espalhar o boato de que a própria cidade basca haveria se bombardeado. Guernica transforma-se em símbolo. O ataque da "Legião Condor" foi o primeiro bombardeio aéreo maciço contra a população indefesa de toda uma cidade, na história européia. A partir daí, o terror contra civis torna-se um princípio, passando a integrar a moderna maquinaria de guerra.
O pintor espanhol Pablo Picasso captou esse horror em seu quadro antibélico Guernica, realizado logo após o massacre. Conta-se que um oficial SS lhe perguntou, apontando para a pintura "Foi o senhor que fez isso?". Picasso respondeu: "Não, o senhor."
O crítico de arte Robert Rosenblum analisa a obra: "Ela equivale a uma imagem do fim do mundo, sobretudo do mundo moderno, como o conhecemos. Um clarão ofuscante de chamas, em seguida a sensação do caos definitivo. Mulheres e crianças gritando, um touro, um cavalo, uma visão de choque e trauma, que representa todo o nosso pavor à beira do abismo. Assim é o quadro Guernica: da forma mais impressionante e poderosa, ele anuncia a mensagem da guerra, do potencial destrutivo do século 20."
60 anos mais tarde, o então presidente da Alemanha, Roman Herzog, pediu perdão aos habitantes da cidade: "Quero assumir a responsabilidade pelo passado e reconhecer expressamente o envolvimento culposo dos pilotos alemães. Eu pranteio com vocês os mortos e feridos. Aos que ainda carregam consigo as feridas do passado estendo minha mão num pedido de reconciliação."
Dois anos mais tarde, o governo democrata-cristão de Helmut Kohl doou três milhões de marcos à cidade que os soldados alemães reduziram a cinzas. O dinheiro foi empregado na construção de um novo centro de esportes. Autora: Gerda Gericke – (Calendário Deustche Welle)
guernica-musem.jpg image by danicast

Filosofia das Besteiras Inteligentes

No Havaí, todas as sandálias são havaianas.
A primeira missa do Brasil foi o maior programa de índio.
Mulher grávida reclama de barriga cheia.
Lixo: coisas que jogamos fora. Coisas: lixo que guardamos.
Uma celebridade é alguém que trabalha duro muito tempo para se tornar conhecido, e depois passa a usar óculos escuros para não ser reconhecido.
Ser canhoto é muito fácil, difícil é ser direito.
A primeira amnésia a gente nunca esquece.
A vantagem de ter péssima memória é divertir-se muitas vezes com a mesma coisa boa como se fosse a primeira vez.
No avião o medo é passageiro...

Fazer o que você gosta X gostar do que você faz
A escolha de uma profissão é o primeiro calvário de todo adolescente.

Muitos tios, pais e orientadores vocacionais acabam recomendando “fazer o que se gosta”, um conselho confuso e equivocado.

Nenhuma empresa paga o profissional para fazer o que os funcionários gostam que normalmente é jogar futebol, ler um livro ou tomar chope na praia.

Justamente, paga-se um salário para compensar o fato de que o trabalho é essencialmente chato.

Mesmo que você ache que gosta de algo no início de uma carreira, continuar a gostar da mesma coisa 25 anos depois não é tão fácil assim. Os gostos mudam, e aí você muda de profissão em profissão?

As coisas que eu realmente gosto de fazer, eu faço de graça, como organizar o Prêmio Bem Eficiente; ou faço quase de graça, como escrever artigos para a imprensa.

Eu duvido que os jogadores profissionais de futebol adorem acordar às 6 horas todo dia para treinar, faça sol, faça chuva. No fim de semana eles jogam bilhar, não o futebol que tanto dizem adorar.

O “ócio criativo”, o sonho brasileiro de receber um salário para “fazer o que se gosta”, somente é alcançado por alguns professores de filosofia que podem ler o que gostam em tempo integral. Nós, a grande maioria dos mortais, terá que trabalhar em algo que não necessariamente gostamos, mas que precisará ser feito. Algo que a sociedade demanda.

Toda semana recebo jovens que querem trabalhar na minha consultoria num projeto social. “Quero ajudar os outros, não quero participar deste capitalismo selvagem”. Nestes casos, peço para deixarem comigo seus sapatos e suas meias, e voltarem a conversar comigo em uma semana.

Normalmente nunca voltam, não demora mais do que 30 minutos para a ficha cair.

É uma arrogância intelectual que se ensina nas universidades brasileiras e um insulto aos sapateiros e aos trabalhadores dizer que eles não ajudam os outros. O que seria de nós se ninguém produzisse sapatos e meias, só porque alguns membros da sociedade só querem “fazer o que gostam?”

Quem irá retirar o lixo, que pediatra e obstetra atenderá você às 2 da madrugada? Vocês acham que médicos e enfermeiras atendem aos sábados e domingos porque gostam?

Felizmente para nós, os médicos, empresas, hospitais e entidades beneficentes que realmente ajudam os outros, estão aí para fazer o que precisa ser feito, aos sábados, domingos e feriados. Eu respeito muito mais os altruístas que fazem aquilo que precisa ser feito, do que os egoístas que só querem “fazer o que gostam”.

Teremos então que trabalhar em algo que odiamos, condenados a uma vida profissional chata e opressora?

A saída é aprender a gostar do que você faz, em vez de gastar anos a fio mudando de profissão até achar o que você gosta. E isto é mais fácil do que você pensa. Basta fazer o seu trabalho com esmero, um trabalho super bem feito. Curta o prazer da excelência, o prazer estético da qualidade e da perfeição.

Se quiser procurar algo, descubra suas habilidades naturais, que permitirão fazer seu trabalho com distinção e que o colocarão à frente dos demais.

Sempre fui um perfeccionista. Fiz muitas coisas chatas na vida, mas sempre fiz questão de fazê-las bem feitas. Sou até criticado por isto, demoro demais, vivo brigando com quem é medíocre, reescrevo estes artigos umas 40 vezes para o desespero dos editores, sou super exigente, comigo e com os outros.

Hoje, percebo que foi este perfeccionismo que me permitiu sobreviver à chatice da vida, que me fez gostar das coisas chatas que tenho de fazer.

Se você não gosta do seu trabalho, tente fazê-lo bem feito. Seja o melhor na sua área, destaque-se pela sua precisão. Você será aplaudido, valorizado, procurado e outras portas se abrirão. Você vai começar a gostar do que faz, vai começar até a ser criativo, inventando coisa nova, e isto é um raro prazer.

Faça o seu trabalho mal feito e você estará odiando o que faz, a sua empresa o seu patrão, os seus colegas, o seu país e a si mesmo.

Este é na minha opinião, o problema número 1 do Brasil. Fazemos tudo mal feito, fazemos o mínimo necessário, simplesmente porque não aprendemos a gostar do que temos de fazer e não realizamos tudo bem feito, com qualidade e precisão.

(Por Stephen Kanitz, formado em Administração de Empresas por Harvard e Articulista da VEJA)
Poder de discernir
O poder de discernir é a habilidade que permite a você dar o valor correto aos pensamentos, palavras e ações. Assim como um joalheiro consegue distinguir um diamante legítimo entre os falsificados, você deve manter os pensamentos positivos e descartar os negativos. Lembre-se que são os pensamentos negativos que criam nuvens sobre a sua capacidade de discernir.
(por Brahma Kumaris)

“Há somente dois tipos de homens: os justos que se crêem pecadores, e os pecadores que se crêem justos.”
(Blaise Pascal)
“Ou eu encontro um caminho, ou o faço.”
(Philip Sidney)
“Uma única ação é melhor do que mil suspiros.” (Rabino Shalom Dov Ber)







Educação
"A educação nos ensina as regras da vida. A experiência nos ensina as exceções".
(M. Guillois)

domingo, 24 de abril de 2011

Augusto dos Anjos
(1884-1914), poeta paraibano, identificado muitas vezes como simbolista ou parnasiano. Muitos críticos, como o poeta Ferreira Gullar, concordam em situá-lo como pré-moderno. É conhecido como um dos poetas mais estranhos do seu tempo, e até hoje sua obra é admirada (e detestada) tanto por leigos como por críticos literários.


Psicologia de um vencido

Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escuridão e rutilância,
Sofro, desde a epigênese da infância,
A influência má dos signos do zodíaco.

Produndissimamente hipocondríaco,
Este ambiente me causa repugnância...
Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia
Que se escapa da boca de um cardíaco.

Já o verme -- este operário das ruínas --
Que o sangue podre das carnificinas
Come, e à vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
E há de deixar-me apenas os cabelos,
Na frialdade inorgânica da terra!

Sinopse do rei da música brasileira: Roberto Carlos



Capixaba de Cachoeiro do Itapemirim, aos 9 anos Roberto Carlos já chamava a atenção na rádio local imitando o cantor Bob Nélson. Aos 12 mudou-se para Niterói com a família, e começou a fazer amizades com outros rapazes que gostavam de música, especialmente o rock and roll que vinha dos Estados Unidos.
Em 1957 formou com alguns amigos, inclusive Tim Maia, o conjunto "Os Sputniks". No ano seguinte já era integrante do "The Snakes", junto com Erasmo Carlos. Com esse grupo chegou a participar do programa Clube do Rock, de Carlos Imperial, na TV Continental. Gravou alguns compactos no final da década de 50 e em 1961 lançou o primeiro LP, "Louco por Você".
A partir daí passou a investir, com apoio da gravadora CBS, no incipiente mercado de música jovem. Para isso juntou-se ao amigo Erasmo e passou a fazer versões e compor músicas como "Splish Splash", "O Calhambeque", "É Proibido Fumar" e outras que visavam ao filão juventude transviada, criando o primeiro movimento de rock feito no Brasil.
Em 1965 estreou, ao lado de Erasmo e Wanderléa, o programa Jovem Guarda, na TV Record, que daria nome ao movimento. O desafio do programa era manter a elevada audiência das tardes de domingo, até então garantida pela transmissão dos jogos de futebol e agora ameaçada, já que as transmissões haviam sido proibidas. O programa não só manteve a audiência, como conseguiu aumentá-la. Roberto Carlos foi um dos primeiros ídolos jovens da cultura brasileira. Além do programa e dos discos, estrelou filmes, inspirados no modelo lançado pelos Beatles nos anos 60.
O primeiro longa, "Roberto Carlos em Ritmo de Aventura", foi lançado em 1967, seguido por "Roberto Carlos e o Diamante Cor-de-rosa" e "Roberto Carlos a 300km por Hora". Nos anos 70, com o esmorecimento do movimento da Jovem Guarda, mudou de estilo e tornou-se um cantor e compositor basicamente romântico. Foi a partir daí que seu público-alvo deixou de ser o jovem e passou a ser o público adulto.
Nessa linha, seus grandes sucessos são "Detalhes", "Emoções", "Café da Manhã", "Força Estranha", "Guerra dos Meninos", "Fera Ferida", "Caminhoneiro", "Verde e Amarelo". Deois passou a dedicar-se mais ao filão religioso de sua obra, com o sucesso da música "Nossa Senhora". Desde 1961 vem lançando um disco inédito por ano, tradição interrompida apenas em 1999 por causa da doença de sua então esposa, Maria Rita, que viria a falecer.
Nos últimos anos esse lançamento acontece invariavelmente no Natal. Seus discos já venderam milhões de cópias e bateram recordes de vendagem (em 1994 bateu a marca de 70 milhões de discos vendidos).
Fez milhares de shows em centenas de cidades, no Brasil e no exterior. Seu fã-clube é um dos maiores de todo o mundo. Dezenas de artistas já fizeram regravações de suas músicas. Já lançou discos em espanhol e inglês, em diversos países. Atualmente fez o Acústico MTV, e continua produzindo um especial que vai ao ar na semana do Natal pela TV Globo, mesma época do lançamento dos seus discos anuais.

Uma homenagem a este grande escritor - Manuel Bandeira

"...o sol tão claro lá fora,
o sol tão claro, Esmeralda,
e em minhalma — anoitecendo."
Em 1886 nascia o precursor da poesia moderna, Manuel Bandeira (1886-1968)
Os vizinhos de Manuel Bandeira na rua do Curvelo, em Santa Tereza, região central do Rio de Janeiro, já sabiam: se o poeta pegasse o bonde com um ar de chateação, mais tarde, à noite, o barulho da máquina de escrever não deixaria ninguém dormir. A expressão do rosto denunciava seu destino: o hospital, para mais uma bateria de exames do pulmão. Chegava em casa deprimido e os momentos de tristeza eram os mais produtivos, rendiam páginas e páginas de poemas.
Em 1904, aos 18 anos (nasceu a 19 de abril de 1886, no Recife), Manuel Carneiro de Souza Bandeira Filho foi passar férias em Itaipava, região serrana fluminense, e sentiu-se indisposto depois de um passeio a cavalo. Acordou no meio da noite com o lençol sujo de sangue: estava com tuberculose, doença fatal no início do século. Para cuidar da saúde, desistiu do curso de Arquitetura da Escola Politécnica de São Paulo, no qual estava matriculado. Até o fim da vida foi assim: amargurado, era obrigado a renunciar a quase tudo devido à frágil saúde. Levou uma vida reclusa e se dedicou exclusivamente a escrever poesias, crônicas e fazer traduções.
Foi o "São João Batista do modernismo brasileiro", como o amigo Mário de Andrade gostava de chamá-lo. Muito antes da Semana de Arte Moderna, em 1922, Bandeira já tinha feito uso do verso livre em seus primeiros livros, A cinza das horas, de 1917, e Carnaval, de 1919. Os modernistas viram nele um precursor do movimento, mas ele se recusou a comparecer à Semana para não atacar os "velhos mestres parnasianos". Participou com a poesia Os sapos, que foi vaiada, assim como todos os outros eventos da programação.
A solidão, o sofrimento e o medo da morte foram a fonte de inspiração de onde saíram poemas como Pneumotórax, de 1930: E então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax?/Não. A única coisa a fazer é dançar um tango argentino. Mas a dor não era o único motivo para escrever. Da janela de casa, passava horas observando os moleques brincarem na rua, os casais de namorados e tudo o que fazia parte do cotidiano de Santa Tereza para depois transformar em crônicas.
Escrevia sem compromissos e não modificava nada, deixava a inspiração fazer o que quisesse. Porém, ninguém acreditou quando contou que Vou-me embora para Pasárgada, um de seus mais belos poemas, nunca fora reconstruído. A primeira vez que ouviu a palavra Pasárgada ainda era criança e a única coisa que lembrava era o significado: "tesouro dos persas". Mais de 20 anos depois, num momento de profunda tristeza, a poesia lhe veio inteirinha na mente. Quando pegou o lápis para escrevê-la, era tarde. Tinha esquecido tudo. Só alguns anos mais tarde, deprimido novamente, os versos voltaram. "Saiu sem esforço, como se estivesse pronta dentro de mim."
Como se não bastassem os incômodos causados pela tuberculose, Bandeira perdeu o pai, a mãe, a irmã e o irmão num intervalo de seis anos, quando ainda era jovem. Embora tivesse todos os motivos para ser um sujeito mal-humorado, tinha sempre um sorriso simpático estampado no rosto. Era míope e dentuço, mas ria dos próprios defeitos e dizia que adorava "ser fotografado, traduzido, musicado..." Tinha mania de limpeza e, por azar, o único telefone da rua do Curvelo era o seu, que ele emprestava diariamente para os vizinhos. Depois tinha prazer em limpar e desinfetar cuidadosamente o aparelho. Embora fosse um eterno apaixonado pelas mulheres, nunca se casou porque "perdeu a vez", como costumava dizer, mas tinha uma imensidão de amigos que viviam lhe visitando.
Jamais assumiu nenhum compromisso, acreditando que morreria no dia seguinte. A única vez que recebeu pagamento adiantado por uma obra foi para escrever Guia de Ouro Preto, fruto da viagem que fez com Mário de Andrade e outros modernistas pelo interior do Brasil. No fim da vida, acordava às 7 e meia em ponto e dormia exatamente à meia-noite, depois de passar o dia inteiro na máquina de escrever. Morreu em 1968, aos 82 anos, de parada cardíaca, e não de tuberculose, como sempre acreditou. (irônico)
Obra-prima
• A cinza das horas (1917)
• Carnaval (1919)
• Poesias (1924)
• Libertinagem (1930)
• Estrela da manhã (1936)
• Estrela da vida inteira (1966)
Profundamente
(Manuel Bandeira)

Quando eu tinha seis anos
Não pude ver o fim da festa de São João
Porque adormeci.
Hoje não ouço mais as vozes daquele tempo
Minha avó
Meu avô
Totônio Rodrigues
Tomásia
Rosa
Onde estão todos eles?
- Estão todos dormindo
Estão todos deitados
Dormindo Profundamente.

Dicionário de Surfista

                                                                       




  • - contrário de issa

  • Pôôôôôôôôôôôôôôô- contrário de iiiiisssaaaaaaaa!

  • Pôrra - equivale ao ponto final

  • Radical - mina ou mano que não vacilou nem demorô

  • Rapá- o mesmo que neguinho, mas menos formal

  • Roubada- parada sem issa

  • Sangue bão- neguinho maneiro que não vacila na parada

  • Sinistro- rapá sangue bão que demorô mas abalô

  • Sóoo, meu- afirmativo. O oposto de "xéee, meu"

  • Tipo assim- equivale a vírgula

  • Tô ligado- o mesmo que "sóoo, meu" mas não pode ser usado em uma fissura

  • X - forma de assinar o nome.

  • Xéee, meu- negativo. O oposto de "sóoo, meu".


  • E a primeira frase do mundo sem verbo, nem consoante: ó o auê aí, ó!!!!

    UM NOVO AMANHECER

    Você ganhou um novo dia.

    Você está preparado para ele?

    Existem infinitas possibilidades de realização neste dia . No entanto, nada vai cair do céu.

    Tudo dependerá, exclusivamente, de você.
    Confie na sua capacidade  e vá em frente.
    A sabedoria ensina : grandes amores e grandes conquistas envolvem grandes riscos”. Se não fosse assim, não teria a menor graça, não é mesmo?

    O dia é todo seu.  Cuide bem do seu tempo. Preencha cada minuto com as coisas mais importantes.
    A propósito,  relacione as coisas importantes da sua vida. Em seguida, estabeleça suas prioridades . Não esqueça que as coisas mais importantes são sempre aquelas que tem o poder de faze-lo mais feliz.
    Você com sua inteligência, sua sensibilidade, sua força de vontade  tem tudo para alcançar seus objetivos.

    Nesta tarefa memorize 3 r’s:

    R de respeito a si mesmo.
    R de respeito aos outros.
    R de responsabilidade por todas suas ações.

    Ah, se precisar mudar de direção, não tenha medo, mude. Mude quantas vezes for preciso,
    mas nunca abra mão dos seus valores.

    (Irineu Toledo)
    Faça acontecer   

    Não fique aí parado esperando que as coisas que você quer aconteçam por obra do acaso. Os acontecimentos são eventos comandados pela dinâmica da natureza. Já as realizações dependem de esforço humano, individual ou de equipe. A chuva, o vendaval, o maremoto são acontecimentos. O sucesso é algo que precisa ser realizado ou conquistado; ele não acontece por si só. E você que determina...

    quarta-feira, 20 de abril de 2011

    TOQUES

    \
    "Não corra atrás das borboletas; plante uma flor em seu jardim e todas as borboletas virão até ela".
    (D. Elhers)

    "Há pessoas que não levam em conta a realidade, mas, em compensação, a realidade também não as leva em conta". 
    (Karl Marx)
    "Mantenha distância de quem tenta diminuir suas ambições. Pessoas verdadeiramente grandes fazem você sentir que também pode se tornar grande".
    (Mark Twain)

    terça-feira, 19 de abril de 2011

    KIT DO BRASILEIRO

    *Vai transar?*
    O governo dá camisinha.
    cid:image002.gif@01CAC5B3.51899770


    *Já transou?*
    O governo dá a pílula do dia seguinte.

    cid:image003.jpg@01CAC5B3.51899770
     

    *Teve filho?*
    O governo dá o Bolsa Família..

    cid:image004.jpg@01CAC5B3.51899770
     

    *Tá desempregado?*
    O governo dá Bolsa Desemprego.

    cid:image005.jpg@01CAC5B3.51899770



    *Não tem terra?*
    O governo dá o Bolsa Invasão e ainda te aposenta.


    cid:image007.gif@01CAC5B3.51899770
     
    *RESOLVEU VIRAR BANDIDO E FOI PRESO?*
    a partir de 1º/1/2011 O GOVERNO DÁ O AUXÍLIO RECLUSÃO?

    *esse é novo* 
     Todo presidiário com filhos tem direito a uma bolsa que, é de R$798,30 "por filho" para sustentar a família, já que o coitadinho não pode trabalhar para sustentar os filhos por estar preso.
     

    Não acredita?
    Confira no site da Previdência Social.


    Portaria nº 48, de 12/2/2009, do INSS

    ( http://www.previdenciasocial.gov.br/conteudoDinamico.php?id=22
    )

    *Mas experimenta estudar e andar na linha pra ver o que é que te acontece!*

    cid:image008.jpg@01CAC5B3.51899770
    cid:image009.jpg@01CAC5B3.51899770


    "Trabalhe duro, pois milhões de pessoas que vivem do Fome-Zero e do Bolsa-Família,  sem trabalhar, dependem de você"

    Se vc é brasileiro passe adiante.

    sexta-feira, 15 de abril de 2011

    Respeite a sua vocação


                                         
    Boa parte das pessoas escolhem a profissão por motivos que nada tem a ver com sua alma, com sua vocação. Alguns escolhem pelo glamour que supõem existir em algum tipo de trabalho. Por exemplo, nos anos 60 era o máximo ser sociólogo. Já nos 80, a moda era ser psicólogo. Nos 90, o que dava status era ser publicitário. Mas, a frustração de uma escolha errada chega quando a pessoa descobre que, com o glamour, vêm inúmeras tarefas aborrecidas que somente quem tem a verdadeira vocação para a profissão consegue desempenha-las com prazer, por amor e por respeito à sua missão e às pessoas que dependem de sua competência.



    Em qualquer profissão, a banana sempre virá com casca, e que a escolhe tem de aprender a curtir também o que houver de desagradável. Se você escolhe bem, de acordo com sua vocação, descascar a banana será tão gostoso como comê-la.


    Lembre-se: não escolha uma profissão pelo prestígio social que possa haver nessa atividade, mas por ser a sua preferência mais profunda. A preferência de sua alma.

    (texto de Roberto Shinyashiki no livro "Você: a alma do negócio")

    Nomes perfeitos para profissões

    H. Ramos ..................professor de judô
    Ana Lisa ..................trabalha em laboratório
    P. Lúcia ..................fabricante de bichinhos
    Pinto Souto ...............fabricante de cuecas
    Marcos Dias ...............fabricante de calendário
    Olavo Pires ...............balconista de lanchonete
    Décio Machado .............guarda florestal
    H. Lopes ..................professor de hipismo
    Oscar Romeu ...............dono de concessionária
    Hélvio Lino ...............professor de música
    K. Godói .................médico (hemorróida)
    Alberta Alceu Pinto ......garota de programa
    Eudes Penteado ...........cabeleireiro
    Sara Vaz .................mãe de santo
    Passos Dias Aguiar .......instrutor de auto-escola
    Régis Melo Dias ..........maestro
    Edson Fortes .............baterista
    Sara Dores da Costa ......reumatologista
    Jamil Jonas Costa ........urologista
    Ina Lemos ................pneumologista
    Ester Elisa ..............enfermeira
    Ema Thomas ...............traumatologista
    Inácio Filho .............obstetra
    Oscar A. Melo ............confeiteiro

    União

                                         
    Temos que nos unir, exatamente como os cinco dedos da mão. Eles são diferentes – um é mais curto e mais grosso, outro longo e fino – mas, quando estão juntos são muito poderosos; se um deles está faltando, há fraqueza geral. Com a gente é a mesma coisa – é preciso que cada um utilize a sua especialidade e, assim, unidos, seremos muito mais poderosos, mais cooperativos, mais amáveis. Quando alguém age sozinho, perde força e pode fazer muito pouco. Pense nisso e pratique a união.
    (por Brahma Kumaris)

    Toques


    "Quem ri por último, perdeu todo o tempo que passou sem rir".
    (Eno Teodoro Wanke)

    "O primeiro de todos os problemas de um homem é descobrir que tipo de obra ele deve realizar neste universo".
    (Thomas Carlyle)
    "O auge do sucesso é o luxo de dar a si mesmo tempo para fazer
    o que se quer".
    (Leontyne Price)

    Impressão

                       

      “As coisas não são sempre como parecem ser, a primeira aparição engana muitos. A inteligência de alguns percebe o que foi cuidadosamente escondido".
    (Phaedrus)

    Pages

    Text

    Seguidores